Lendas e tradições

ANTUZEDE
Como costume populares, registem-se as “Cantatas”, orquestras improvisadas de tocadores de viola, violino, bandolim e outros, as Danças de Roda, que os jovens dançavam ao domingo à tarde, a Serração da Velha, na Quaresma, e as Pulhas, que se lançavam também por altura da Quaresma.
 
VIL DE MATOS
Ao longo dos tempos sempre houve alguma disponibilidade artística pelas gentes desta terra. Há relatos de pessoas de idade que os seus antepassados tinham participado em grupos de tocadores, com instrumentos como o bandolim, banjo, concertina e acordeão, etc., bem como a participação em grupos de canta e dança. Com o restabelecimento da liberdade em Portugal em 1974, despertou o interesse de participação os jovens nas comunidades, então no ano de 1975 um grupo de jovens constituiu a associação popular de intervenção cultural "APIC", que começou a fazer algumas recolhas de quadras populares e trajos tradicionais que foram utilizados nos espectáculos teatrais apresentados pelo Grupo na Escola Velha. Com o alargamento a actividades desportivas, a 29 de Junho de 198 foi lavrada a escritura de constituição do Clube Desportivo de Santana, que estatutariamente se obriga a desenvolver o desporto, cultura e recreio. Dentro da sua estrutura funcionou a partir de 1986 o Rancho Folclórico de Santana, órgão de preservação e divulgação das danças, cantares, música e trajos tradicionais. Com a evolução dos tempos entendeu-se por bem o alargamento da colectividade á área de apoio social. Para tal se tornar possível fez-se a alteração de denominação e estatutos por escritura de 18 de Junho de 1999 para Centro Social e desportivo de Santana, com sede em Vendas de Sant´Ana, abrangendo a Freguesia de Vil de Matos. 
 
Outrora, esta era a maior romaria da região, e realizava-se no dia 26 de Julho, ou no domingo seguinte. A parte profana dos festejos tinha lugar num olival, onde os forasteiros se instalavam durante os dias de festa. Aqui encontravam-se as barracas das caçoilas de chanfana e das canecas de vinho da região, dos melões e das melancias, a roleta dos chupas-chupas e os espaços para os jogos, como a vermelhinha, o tiro aos brindes, o atirar as bolas as latas e os matrecos, entre tantos outros. Eram dias de grande folia e diversão, ansiados por miúdos e graúdos. Enfim as merecidas férias de uma vida dura no campo.