Gastronomia

Gastronomicamente, Antuzede e Vil de Matos, estiveram sempre muito ligadas à presença das linhas de água que a atravessam. Assim, é presença habitual na mesa as famosas enguias fritas, o ensopado de enguias e  os roubacos, que hoje tendem a escassear. Também a matança do porco, tradição que ainda hoje se mantém, contribui para os petiscos que aqui se faziam: o serrabulho, o entrecosto assado na brasa e os enchidos de carne e de sangue.
 
No entanto, encontram-se ainda outros pratos, usados sobretudo em dias festivos: a chanfana, o cabrito, o borrego no forno, a galinha corada, Sopa à Lavrador, Pataniscas de Bacalhau, Sardinha de Escabeche, Leitão á Bairrada e o cozido à portuguesa. A “sorda” (papas de farinha de milho) e a “roupa velha” eram também consumidos em determinadas alturas do ano.
.
Vinhos da Região: O vinho e a vinha sempre desempenharam um papel importante na economia da região. Outrora, o vinho de mesa maduro (tinto e branco), de grande qualidade, era produzido e armazenado nas adegas dos lavradores, onde também se podia encontrar a jeropiga e a aguardente bagaceira, destilada em alambique. Os produtos eram directamente vendidos aos comerciantes de Coimbra, donos das chamas “tascas”, transportados em carris de bois. Os transportadores, para além da encomenda, faziam-se acompanhar também de um pequeno pipo (10 litros) de vinho, denominado de “borracha”, oferta dos lavradores.
 
Hoje a situação é diferente, todos os produtores se encontram inscritos na Adega Cooperativa de Souselas, que produz e comercializa os seus vinhos, agora integrados na Região Demarcada da Bairrada.
.
Doces Regionais: De entre os principais doces que integram a pastelaria da região, destaca-se o Folar da Páscoa, o arroz doce e as “belhoses” (no Natal)